Lyrics


The band seeks to value Brazilian culture through rhythms, melodies and poetry. Their lyrics bring facts of the daily life, of the cultural diversity and resistance that Brazilians have to maintain and renew their traditions.

Duas Faces da Mão

(Vinícius Rocam) 

O Maracatu é muito mais que um ritmo, muito mais que um estilo musical. Os tambores, as vestes, o estandarte e a ligação com as matrizes africanas, que nos conectam com o Brasil que é pouco mostrado e valorizado. 

A boca, o verbo, o terno.                                                                    Acima da parda, martelo.                                                                      O dedo, o punho, o berro.                                                                     A calúnia, o fogo, o ferro.

O medo, o conluio, o zero.                                                                    O zelo, o chegar bem austero.                                                              A queima roupa, o clarão.                                                                      No chão a toca, humilhação.

(...)

Deixa o preto viver,                                                                                Deixa o índio viver,                                                                              Deixa o povo cantar                                                                               E o canto ressoar.

Deixa o preto viver,                                                                                  O caboclo tocar,                                                                                Deixa a mata crescer                                                                            Pra Terra transformar. 

Chama

(Vinícius Rocam) 

Viver também é celebrar, estar perto de quem gosta e quer bem. Um Ijexá para chamar a festa, chama que eu vou.

Se me chamar eu vou

Eu vou e vou agora

Que o mundo não parou

Me chama que está na hora


Dancei baque arrestado

Bati gonguê e tambú

O tambor bate arrastado

Leste, oeste, norte a sul.


Chama e chega avisado 

Pra também vir suingar

Sabe que quando começa

Não tem hora pra acabar...

Veste de Lança

(Vinícius Rocam) 

A brasilidade ensina a resistir, se reinventar, cantar e dançar além da dor.

Essa moda não é pra se usar                                  Como as roupas finas da estação.                            Essa moda não é pra se usar                                  Como as roupas finas da estação.                            Essa moda é pra gente se embolar                               E suar com a poeira arriba chão.