Letras


Nossas letras trazem fatos do cotidiano, narrativas, histórias, a diversidade cultural e estilo de vida dxs brasileirxs que de forma criativa preservam e renovam suas tradições. 

Duas Faces da Mão

(Vinícius Rocam) 

O Maracatu é muito mais que um ritmo, muito mais que um estilo musical. Os tambores, as vestes, o estandarte e a ligação com as matrizes africanas que nos conectam com o Brasil que é pouco mostrado e valorizado. 

A boca, o verbo, o terno.                                                                    Acima da parda, martelo.                                                                      O dedo, o punho, o berro.                                                                     A calúnia, o fogo, o ferro.

O medo, o conluio, o zero.                                                                    O zelo, o chegar bem austero.                                                              A queima roupa, o clarão.                                                                      No chão a toca, humilhação.

(...)

Deixa o preto viver,                                                                                Deixa o índio viver,                                                                              Deixa o povo cantar                                                                               E o canto ressoar.

Deixa o preto viver,                                                                                O caboclo tocar,                                                                              Deixa a mata crescer                                                                            Pra Terra transformar. 

Chama

(Vinícius Rocam) 

Viver também é celebrar, estar perto de quem gosta e quer bem. 


Se me chamar eu vou

Eu vou e vou agora

Que o mundo não parou

Me chama que está na hora...


Dancei baque arrestado

Bati gonguê e tambú

O tambor bate arrastado

Leste, oeste, norte a sul.


Chama e chega avisado 

Pra também vir suingar

Sabe que quando começa

Não tem hora pra acabar...

Veste de Lança

(Vinícius Rocam) 

A brasilidade ensina a resistir, se reinventar, cantar e dançar além da dor.

Essa moda não é pra se usar                                  Como as roupas finas da estação.                            Essa moda não é pra se usar                                  Como as roupas finas da estação.                            Essa moda é pra gente se embolar                                 E suar com a poeira arriba chão.